QUÊ? (Artefatos & .Colaborativos)

Exposições-Ocupações

Fernanda Eugenio & Ana Dinger

2019

escala maquete_edited_edited_edited_edited.jpg

ARTEFATOS

Programa

Este tipo de conteúdo não é traduzido pelo menu de idiomas do site. Para ler em inglês, por favor utilize este link acima.

Tornando acessível aquilo que normalmente está nos bastidores como os meandros da pesquisa artística, a dimensão de montagem e desmontagem de uma exposição, a presença constante dos corpos, agentes humanes e não-humanes que compõem e produzem esse enquadramento espácio-temporal, as exposições-ocupações se propuseram enquanto exploração das modulações do encontro em situação.


Agregando um conjunto variado de contribuições, a proposta tinha sobretudo a intenção de permitir uma progressiva habitação do espaço, com restos, rastros e traços dos processos que ali iam sendo vividos, das investigações-criações in situ e das insuspeitas possibilidades de reunião que um ambiente mobilizado, ao mesmo tempo, pela presença constante e pelas portas abertas pode oferecer - eventualmente vindo a se proliferar no entorno geográfico e social envolvente aos espaços de acolhimento.


A iniciativa aconteceu em 2019, em duas edições (a primeira em abril, no Mira Artes Performativas, Porto; e a segunda em dezembro, no RuadasGaivotas6, Lisboa). Ambas se deram no âmbito do projeto anual "Do Irreparável: o que pode uma ética de reparação?", com o apoio da República Portuguesa - Direção Geral das Artes.


Enquanto jornada encarnada que abraçava as dimensões afetivas, singulares e coletivas, mobilizadas ante a (ir)reparabilidade do mundo, o projeto convidou ao plano das exposições-ocupações um conjunto diverso de (contra)dispositivos relacionais, tais como jogos-conversa, pesquisa-criação aberta, oficinas e performances situadas, tudo com a curadoria de Fernanda Eugenio e Ana Dinger.


No âmbito das exposições-ocupação, além de muita prática do MO_AND e da continuada pesquisa in situ do Irreparável, emergiram as vídeo-instalações O que fazem as mãos enquanto fazemos com elas + Gestos (ir)reparáveis (de Andrea Capella em colaboração com Fernanda Eugenio); uma estrutura móvel para o Jogo AND e transporte/exposição do acervo de tralhas (pelo Coletivo Gato Morto); a criação do Metálogo #6, entre o passado e o futuro (por Ana Dinger); a criação de Cidades de Vapor, edição #Saigão (por Fernanda Eugenio e Gustavo Ciríaco) e a criação de uma série de performances-para-a-câmera das Práticas de Des-imunização (por Fernanda Eugenio e Dani d'Emilia). Uma estação com objetos-síntese da pesquisa do/com o MO_AND foi sendo gestada - e proliferada - de uma exposição para outra, além da Caixa-Livro AND, que teve o seu primeiro lançamento público em Portugal neste contexto.