QUÊ? (Artefatos & .Colaborativos)

Série Metálogos

Fernanda Eugenio & Ana Dinger

Desde 2015

escala maquete_edited_edited_edited_edited.jpg

ARTEFATOS

Programa

Este tipo de conteúdo não é traduzido pelo menu de idiomas do site. Para ler em inglês, por favor utilize este link acima.

Na Série Metálogos, iniciada em 2015, Fernanda Eugenio e Ana Dinger colecionam conversas-performance situadas, experimentando com o público diferentes gradações da participação.


Como uma conversa usual, os metálogos são irrepetíveis e ingovernáveis. Comportam o risco do encontro porque os seus percursos, meios e tons emergem no próprio fazer. Diferentemente de uma conversa usual, os metálogos recuperam uma operação avançada por Gregory Bateson: o compromisso de tentar que o modo de conversar materialize aquilo que está a ser conversado.


No metálogo, procura fazer-se com conceitos ou, se possível, fazer os próprios conceitos, performando modos intensivos de pensar em relação. O esforço é o de presentação e não de representação, no sentido de superar, através do uso, tensões como estrutura/matéria e forma/conteúdo.


A questão-problema, a ser manuseada, a cada edição, tem sido extraída do tema oferecido por um evento anfitrião. São sobretudo as condições do encontro que se preparam e esse trabalho preparatório (já, muitas vezes, também, metalógico) consiste no mapeamento das vizinhanças do problema e na proposição de ferramentas, materiais, formatos ou interfaces.

O metálogo habita diferentes territórios, a cada vez resultando num objeto singular. O programa recorre sem remontar, outro modo de dizer que se repete o procedimento, diferindo a sua materialização. Constroem-se objetos tão distintos como uma batalha de slides, um artigo escrito ao vivo, uma palestra sem fala, um jogo de baralho ou um mecanismo-convite à realização de um conjunto de tarefas numa praça.


Ensaiando um modo operativo perspectivista, o metálogo percorre a paisagem do problema através de uma tática da dádiva: o problema ganha corpo através do receber e retribuir de cada tomada de posição recíproca. Insiste-se no metálogo até que a questão inaugural se reformule, por desdobramento, numa outra ou mais questões.




Edições já realizadas

  • Metálogo #1 - os modos da situação (Performance, Art and Politics, Atenas, Setembro de 2015);

  • Metálogo #2 - o artista etnográfo & o etnográfo artista (Mind the Gap, Universidade Católica, Lisboa, Novembro de 2015);

  • Metálogo #3 - os modos da superfície (À procura da superfície, ESE, Porto, Abril de 2016);

  • Metálogo #4 - histórias & geografias da performance (Performance Art em Portugal, CCB Museu Berardo, Lisboa, Julho de 2016)

  • Metálogo #5 - os modos do público (Festival Amostra Urbana, Curitiba, Novembro de 2017)

  • Metálogo #6 - o irreparável, entre o passado e o futuro (Exposições-Ocupação AND; Mira Artes Performativas, Porto, e Rua das Gaivotas 6, Lisboa, Dezembro de 2019)

  • Metálogo #7 - a cicatriz (Dez anos em Posição-Com, Penhasco, Lisboa, Outubro de 2021)




Os metálogos são criados, a princípio, segundo uma lógica usualmente atribuída ao happening: para serem apresentados uma única vez, na/para a situação que os dispara e acolhe originariamente. A materialidade emergente de alguns dos metálogos tem, entretanto, levado a que se explore a possibilidade do re-enactment e/ou da autonomização do artefato resultante de uma edição, quando esta revela um desdobramento em potencial e pede por uma continuação da direção encontrada.




Metálogo#1 | Metalogue#1


Metálogo#2 | Metalogue#2


Metálogo#3 | Metalogue#3


Metálogo#4 | Metalogue#4