top of page

COMO?

(Escola do Reparar)

Ancestrais da Escola do Reparar

Fernanda Eugenio & diferentes colaboradores a cada edição

2015-2019

escala maquete_edited_edited_edited_edited.jpg

ESCOLA DO REPARAR

Programa

Este tipo de conteúdo não é traduzido pelo menu de idiomas do site. Para ler em inglês, por favor utilize este link

Enquanto desejo de ocupação e reorientação do formato "escola", a partir de uma persistência no habitar, no partilhar, no experimentar e no curar de outros mundos possíveis, a Escola do Reparar é um sonho antigo, que remonta aos primeiros projetos desenhados por Fernanda Eugenio ainda no início dos anos 2000, aquando das suas primeiras formulações do Modo Operativo AND.


As nomenclaturas Escola do Reparar, hANDling, stANDing e LANDscape foram criadas no âmbito da investigação em processo do MO_AND e, pela sua importância transversal, recorrem, tendo já sido entregues em programas anteriores do AND Lab. A ferramenta-conceito hANDling refere-se ao exercício do manuseamento atento e da entrega/rendição ao acontecimento, ao passo que stANDing nomeia a possibilidade da comparência consistente, que prescinde do entendimento ou da identificação para se implicar. LANDscape, por sua vez, remete ao "entre" do plano comum, que (per)faz todes que nele estão implicados, ao mesmo tempo em é feito por elus. Aponta, ainda, para o movimento de re-membração e de des-cisão com a Terra proposto pelo MO_AND.


O formato atual da Escola do Reparar ancora-se na experiência de três anteriores programas regulares, oferecidos pelo AND Lab ao longo dos últimos quase dez anos.


O mais antigo desses ancestrais é o programa Pensacção (2013-2019), grupo de estudos através de sessões regulares de prática e conversa à volta do Modo Operativo AND, que integrou a nossa programação sob a forma de 'temporadas de encontro', com regularidades variadas - semanais, quinzenais ou mensais, a depender da época - durante seis anos. Essas sessões de prática continuada do MO_AND eram oferecidas tanto na sede em Lisboa, orientadas por Fernanda Eugenio e, por vezes, Ana Dinger, quanto nos núcleos no Brasil e na Espanha, cuidadas pelas pessoas integrantes da coordenação local, assegurando que haveria sempre assistência e acompanhamento ao grupo que se quisesse juntar. O propósito central da Pensacção era o de funcionar enquanto espaço de prática regular no qual praticantes do Modo Operativo AND pudessem dar continuidade ao encontro com esta ferramenta, voltar a reunir-se e, assim, desdobrar em conjunto as questões ético-políticas emergentes do manuseamento, distributivo e atento, entre os afetos pessoais e a participação consequente no entorno comum. Era, assim, um programa voltado sobretudo para acolher uma comunidade de pessoas praticantes - pessoas que, apos terem entrado em contacto com o MO_AND nos workshops, labs e escolas, quisessem prosseguir com a sua prática. A Pensacção recebia, ainda, constantemente, curioses a chegar pela primeira vez ao AND Lab, motivo pelo qual muitas vezes também se faziam introduções curtas no âmbito das sessões.


O programa anual de Escolas de Verão AND é o outro - e o mais marcante - ancestral da Escola do Reparar. Este programa surgiu em 2015, com a realização de uma 'edição zero' em Lisboa, organizada por Fernanda Eugenio e tendo como interlocuções convidadas Ana Dinger, Francisco Gaspar Neto e Soraya Jorge. A esta primeira incursão se seguiram, entre 2016 e 2019, quatro edições regulares, sempre a cada mês de julho, com o acolhimento do Polo Cultural das Gaivotas, e convocando, a cada vez, diferentes colaborações para andar junto com o MO_AND.


Com a duração de duas semanas intensivas, com atividades de manhã e à tarde, a Escola se instalava enquanto zona temporária de atenção e de investigação experiencial e coletiva, à volta de uma questão transversal, diferente a cada ano. Por este espaço-tempo imersivo, passaram centenas de pessoas participantes, em grupos que cresciam a cada ano e foram, lentamente, indicando que a escola precisava de se alastrar e recobrir todo o ano - as duas semanas de verão eram mesmo muito apertadas para tanta matéria e afeto.


Tendo o MO_AND como fio condutor e contando com a mediação continuada de Fernanda Eugenio, cada edição convocava à pesquisa da improvisação-criação coletiva e da (com)posição-com (d)o