top of page

'WHEN-WHERE?'

(Calendar)

'HOW?'

(School Editions)

Mon, 28 Sept

|

and-lab.org/comunidade-acervo

stANDing | Programa de Transmissões via Site

Programa Público CML | Investigação-criação & partilha em modo duracional | quinzenalmente, partilha teórico reflexivas & performativas; semanalmente, conversas com convidades

Este evento terminou :( Em breve abriremos as pré-inscrições para a próxima edição!
Voltar ao site
stANDing | Programa de Transmissões via Site
stANDing | Programa de Transmissões via Site

General Info

28 Sept 2020, 19:00 WEST – 21 Dec 2020, 20:00 WET

and-lab.org/comunidade-acervo

Details

=> ATENÇÃO: horário das sessões quinzenais às segundas-feiras alterado de 19h para 18h (horário de Lisboa, Portugal)

LOCAL DAS TRANSMISSÕES  PÚBLICAS:

and-lab.org/comunidade-acervo | Sala INTER-FERIR

Convocando a relação entre as artes e formas diversas de re_conhecimento na experimentação de outros entre-modos para a vida comum, ao longo de três meses Fernanda Eugenio e Dani d’Emilia estarão em pesquisa duracional de proposições artístico-políticas encarnadas, em um programa que incluirá três dimensões de colaboração e partilha. Partindo da relação com as Dez Posições ante o Irreparável, a cada semana estarão em conversa com convidades usando como mote uma das palavras-posições. Ao fim deste ciclo entrarão em conversa-criação com Julia Salem, usando como matéria as Dez Posições e o campo de contato entre as práticas experimentadas por cada ume em seus trabalhos. Durante todo o período, a cada quinze dias, Fernanda e Dani farão uma sessão de partilha online sobre o processo de criações e senti-pensares em andamento.

'Links fáceis' para copiar e guardar:

Link da plataforma Comunidade-Acervo:

and-lab.org/comunidade-acervo

Link direto para a Sala INTER-FERIR da Comunidade:

and-lab.org/comunidade-acervo/sala-inter-ferir

Janela direta das transmissões (também informada ao entrar na sala acima):

and-lab.org/transmissoes-sala-inter-ferir

CRONOGRAMA

- Sessões quinzenais em direto - partilhas teórico-reflexivas e proposições performativas:

Às segundas-feiras, das 18 às 19h (horário de Portugal) | 28 de setembro a 21 de dezembro de 2020

  • 28 setembro - sessão de apresentação do programa
  • 12 outubro - (an)coragem e co(m)passionamento
  • 26 outubro - consistência e comparência
  • 9 novembro - firmeza e franqueza
  • 23 novembro - suficiência e justeza
  • 7 dezembro - des-ilusão e des-cisão
  • 21 dezembro -  sessão de encerramento do programa (com participação de Julia Salem)

- Sessões semanais gravadas - conversas com convidades,

Às quintas-feiras, a partir das 18h (horário de Portugal) | 01 de outubro a 03 de dezembro de 2020

  • 1 outubro - Liliana Coutinho | (an)coragem
  • 8 outubro - Sarah Amsler | co(m)passionamento
  • 15 outubro - Andreia de Sade e Nuno do Carmo | consistência
  • 22 outubro - Leandro Cunha | comparência
  • 29 outubro - Alexa Santos |firmeza
  • 5 novembro - Soraya Jorge | franqueza
  • 12 novembro - Xana Piteira e Ana Marreiro | suficiência
  • 19 novembro - Marta Lança| justeza
  • 26 novembro - Vanessa Andreotti | des-ilusão
  • 3 dezembro - Benício Pitaguary | des-cisão

NOTAS BIOGRÁFICAS 

Fernanda Eugenio é antropóloga, artista, investigadora e educadora. Trabalha com a construção de modos de fazer transversais para a com-posição relacional, o cuidado-curadoria e a criação por re-materialização - nomeadamente o Modo Operativo AND, metodologia de cunho ético-estético e político, que criou e vem desdobrando desde os anos 2000, dedicada à prática co(m)passionada da presença, à sintonização com a experiência sensível da inseparabilidade e à pesquisa dos processos de emergência. Fundou e dirige, desde 2011, a plataforma AND_Lab | Arte-Pensamento e Políticas da Convivência (com sede em Lisboa e núcleos no Brasil e em Espanha), uma estrutura artesanal de investigação artística, que atua no cruzamento entre as artes, o pensamento crítico, as práticas político-afetivas encarnadas e as pedagogias radicais, reunindo criadores comprometides com o exercício da arte enquanto reciprocidade que sustenta a vida (em) comum. É pós-doutorada (2012) pelo Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa; doutorada (2006) e mestre (2002) em Antropologia Social pelo Museu Nacional - UFRJ, formada em Dança pela Escola Angel Vianna. No Brasil, foi Pesquisadora Associada do CESAP/IUPERJ (2003-17) e Professora Adjunta de Ciências Sociais na PUC-Rio (2005-12). Nos últimos vinte anos tem atuado como professora convidada em diversos programas de formação em ciências sociais e humanas, artes e performance na Europa, EUA e América do Sul. Suas publicações, criações artísticas e colaborações circula(ra)m por Brasil, Chile, Argentina, Peru, Portugal, Espanha, França, Itália, Grécia, Alemanha, Áustria, República Checa, Reino Unido, EUA, Canadá, Nova Zelândia,  Vietnã e Filipinas.

Dani d’Emilia - Artista e educadore transfeminista. Desde 2001 trabalha internacionalmente nas intersecções entre performance, teatro imersivo, artes visuais, pedagogia radical e justiça social. Interessa-se especialmente por práticas político-afetivas encarnadas que entrelaçam as esferas artísticas, activistas e espirituais e tem desenvolvido uma vasta investigação à volta da ‘ternura radical’. Dani é co-fundadore da companhia de teatro imersivo Living Structures (GB) e do espaço artístico Roundabout.lx (PT). Foi membro do coletivo La Pocha Nostra (MX/EUA) entre 2011-2016 e do Proyecto Inmiscuir (MX) entre 2015-2017. Desde 2017 integra o coletivo Gestos Rumo a Futuros Decoloniais  (CA/BR) com quem se dedica a pesquisar pedagogias radicais e possibilidades de educação decolonial por meio de práticas artísticas e críticas.  Actualmente vive em Lisboa, onde desde 2018 trabalha com Fernanda Eugenio e AND Lab (Centro de Investigação em Arte-Pensamento & Políticas da Convivência) em diferentes projetos de arte e pedagogia. Também colabora com os programas Gorca Earthcare (SL) e Free Home University (IT), além de outros contextos de pesquisa encarnada. A formação de Dani inclui: MA – Literatura Comparada e Estudios Culturais, Universidad Autonoma de Barcelona (ES, 2016); MA – Programa de Estudos Independentes dirigido por Paul B. Preciado, Museu de Arte Contemporanea de Barcelona (ES, 2015); BA – Devised Theatre and Visual Arts Practices, Dartington College of Arts (GB, 2007); Diploma em Mime & Physical Theatre, Desmond Jones School (GB, 2003); e diversos outros treinamentos em práticas artísticas, críticas e corporais. Seu trabalho artístico e pedagógico tem percorrido uma ampla variedade de espaços institucionais e autônomos na Europa e nas Américas.

Liliana Coutinho (PT) é programadora de Debates e Conferências da Culturgest, em Lisboa. Doutora em Estética e Ciências da Arte pela Univ. Paris 1, é investigadora do I.H.C. – FCSH/UNL e do  Institut A.C.T.E – Université Paris 1. Foi responsável, entre 2013 e 2015, pelo Serviço Educativo do Museu de Arte Contemporânea de Serralves. Como investigadora e curadora, colaborou com o CAM – Fundação Calouste Gulbenkian (em publicações, investigação sobre a coleção, conferências no âmbito do programa educativo, e como curadora da exposição Túlia Saldanha, 2014), M.A.C. Serralves, Le Plateau (Paris), Artistas Unidos e Atelier Re.Al. Participou em comités científicos, editou publicações e proferiu conferências em Portugal e no estrangeiro e deu aulas de história da dança e teoria crítica no Fórum Dança e no C.E.M. É Professora convidada na Pós-Graduação em Curadoria de Arte, da FCSH/UNL.

Sarah Amsler (GB) é uma educadora e investigadora politicamente comprometida que trabalha nos cruzamentos transdisciplinares da sociologia, educação, teoria crítica e feminista, pedagogia radical e justiça social, com interesse especial em aprender nos limites do possível e com o ‘otherwise’. Atualmente, sua pesquisa e trabalho pedagógico concentram-se nas políticas do conhecimento e pedagogias ontológicas no pensamento sistêmico e de mudança, horizontes de possibilidade e mobilizações de esperança e problemas de colonialidade nas práticas educacionais. Ela é membro do coletivo internacional Gestos Rumo a Futuros Decoloniais e da Critical Internationalization Studies Network, ambos baseados na Universidade de British Columbia (CA), e do coletivo de escrita Women on the Verge, baseado na Universidade de Bath (Reino Unido). Sarah é atualmente Professora Associada do departamento de Educação da Universidade de Nottingham, Reino Unido. É Doutorada em Sociologia pela London School of Economics and Political Science (Reino Unido, 2005),  Mestre em Sociologia pela George Mason University (EUA, 1998) e Bacharel em Educação pela Universidade de Delaware (EUA, 1994). https://www.nottingham.ac.uk/education/people/sarah.amsler

Andreia Miguel (PT) - Arquiteta, mestre no Ensino das Artes Visuais e doutoranda em Estudos Artísticos - Arte e Mediações, é professora do Curso de Produção Artística - Têxteis na Escola Artística António Arroio. Investiga e trabalha a transgressão na contemporaneidade artística e social a partir da performance e da emancipação. Explora a educação como veículo de questionamento, de ativação, de ação e de participação quotidiana, com o corpo todo, sobre o mundo.

Nuno do Carmo (PT) - Arquiteto, concluiu o mestrado em Ensino das Artes Visuais e a pós-graduação em Práticas Artísticas e Processos Pedagógicos na ESEI Maria Ulrich em associação com a Fundação Calouste Gulbenkian. Realizou o curso e o projeto avançado de Ilustração e Banda Desenhada no Ar.Co. É professor da especialização em Têxteis do curso de Produção Artística na Escola Artística António Arroio. É atualmente doutorando em Educação Artística no Instituto da Educação da Universidade de Lisboa. Vive e desenha junto à praia.

Leandro Cunha (BR) é artista visual e morador do subúrbio da cidade do Rio de Janeiro, bairro Piedade. Em seus trabalhos pesquisa a relação entre composição de imagem, memória e sua ancestralidade afro-indígena. Os elementos presentes nas culturas tradicionais negro-africanas – trazidas pela diáspora forçada e conservadas nas nações de candomblé – são alguns dos pilares que fornecem as referências éticas, estéticas e políticas para a sua produção artística.

Alexa Santos (PT) - Movida a poesia e paixões Alexa Santos é formada em Serviço Social pela Universidade Católica. Cedo dedicou-se ao ativismo com pessoas LGBTIQ+ passando pela direção da rede exaequo e tornando-se em 2015 mestre em Género, Sexualidade e Teoria Queer pela Universidade de Leeds. Mais recentemente integra o Instituto da Mulher Negra como sua vice-presidente e a direção da associação para defesa dos direitos de lésbicas, Clube Safo. Colabora também no estudo Diversity and Childhood no Centro de Estudos da Universidade de Coimbra.

Soraya Jorge (BR) é membra e professora do “The Discipline of Authentic Movement Faculty” - Janet Adler e introdutora do Movimento Autêntico no Brasil. Criou e coordena, com Guto Macedo, o C.I.M.A. Centro Internacional do Movimento Autêntico, que atua em diversas cidades do Brasil, além de Lisboa, Berlim e Viena. Tem pesquisado como o Movimento Autêntico desenvolve uma encarnação de consciência (somafulness) e como a espiritualidade é incorporada de uma maneira política, ecológica e ética no processo de testemunhar a vida. Ao longo de uma trajetória de mais de 30 anos, desenvolveu um modo singular de praticar e transmitir o  Movimento Autêntico: como Abordagem Relacional Somática, como Prática do Testemunho e como Terreiro Contemporâneo (Círculo Terroso Brasileiro-Africano) e Ecologia. É formada em Dança Contemporânea na Faculdade Angel Vianna, onde leciona há mais de 20 anos, tanto na escola como nas pós-graduações, e doutoranda em Dança pela Faculdade de Motricidade Humana da Universidade Técnica de Lisboa. Seu trabalho como pesquisadora do Movimento do Corpo Sensível (SOMA) é apresentado em congressos, palestras e workshops. www.movimentoautentico.com

Xana Piteira (PT/MC) tem formação em Psicologia, Educação, Permacultura, Regeneração e Comunidades. É pioneira de diversas iniciativas sociais na área da Educação e Permacultura, nomeadamente a empresa Brainstorming Creations Lda (Macau, 2005), a Associação NaTerra (Macau – Timor Leste, 2008) e a Quinta do Vale da Lama (Portugal, 2012). Tem experiência na co-criação e implementação de projetos e como facilitadora de processos de grupo na área da educação integral e participativa. Trabalha com processos de resiliência comunitária, catalisação de mudança social e reconexão com a natureza. Colabora com mentores como Lesley Martin, Rosemary Morrow e James Priest. www.orladesign.org

Ana Marreiro (PT) - trabalha com a produção ética e saudável de alimentos e a confecção de refeições completas e abundantes num contexto de estilos de vida regenerativos, cozinha consciente em contexto urbano e para eventos/grupos, criação de própria horta, processamento dos excedentes, produção de cosmética e produtos de limpeza naturais. Teve formação específica em Bioconstrução (Nuno Mamede), Solos (Sérgio Marachin), Design Permacultura (Lesley Martin), Formação de Formadores de Permacultura (Rosemary Morrow) e Sociocracia 3.0 (James Priest). Por seis anos integrou a equipa educativa da Quinta do Vale da Lama. Aplica ferramentas de vivência comunitária, organização não-hierárquica e partilha a sua experiência em workshops e iniciativas que proporcionam o questionamento de escolhas alimentares com uma abordagem ética. www.orladesign.org

Marta Lança (PT) - Doutoranda em Estudos Artísticos, formação em Estudos Portugueses, Literatura Comparada e Edição de Texto na FCSH-UNL. Os temas de pesquisa passam pelo debate pós-colonial, programação cultural, processos de memorialização, plataformas de discurso e estudos africanos. Criou as publicações V-ludo, Dá Fala, Jogos Sem Fronteiras (co-ed) e, desde 2010, é editora do site BUALA. Escreve para publicações em Portugal, Angola e Brasil. Em Luanda lecionou na Universidade Agostinho Neto e colaborou com a I Trienal de Luanda, em Maputo trabalhou no festival de documentário Dockanema. Tem experiência como programadora, pesquisadora e produtora de cinema. Participou no grupo de consultores do Memorial às Pessoas Escravizadas (iniciativa da DJASS) e no grupo editorial do Glossário Afro-European Cartography of Culture, Language and Arts. É curadora, com Rita Natálio, do projeto Terra Batida, uma rede entre artes e ciência sobre modos de resistência ao ecocídio. www.buala.org

Vanessa Andreotti (BR/CA) é professora titular no Departamento de Estudos Educacionais, na Universidade de British Columbia em Vancouver, Canadá. É titular de uma Cátedra de Investigação Canadense com enfoque em questões relacionadas à globalização, desigualdades e mudanças globais. Vanessa é uma das fundadoras do coletivo de arte e investigação “Gestos Rumo a Futuros Decoloniais” (decolonialfutures.net), que trabalha na interface entre questões relacionadas a violências históricas, sistêmicas e contínuas, e questões relacionadas à insustentabilidade das formas modernas de organização e existência bem como as múltiplas crises da modernidade.

Benício Pitaguary (BR) - Liderança indígena Pitaguary, graduado em Geografia pela Universidade Federal do Ceará. Desenvolve pesquisas na área da educação, culturas indígenas, descolonização e grafismo e pinturas corporais indígenas. É articulador do Museu Indígena Pitaguary, artista plástico especialista em grafismos indígenas. Ministra workshops sobre pintura corporal indígena em aldeias indígenas no Brasil, universidades e eventos, com  ênfase nos impactos do colonialismo nas culturas indígena no Brasil. Benício também atua como terapeuta holístico e massoterapeuta. É comunicador do Mídia Índia, coletivo de mídialivrismo composto por jovens indígenas brasileiros  que atuam nacional e internacionalmente. Atualmente Benício é membro titular do Conselho de Cultura do Estado do Ceará e também do Comitê Gestor de Políticas Culturais Indígenas do Ceará, ambos ligados a Secretaria de Cultura do Estado do Ceará (SECULT-CE).

Julia Salem nasceu em São Paulo (1982) e reside há quatro anos Lisboa onde cursou o mestrado em Comunicação e Artes na UNL e colaborou com Rose Akras (BR/HOL), Daniela Dini (BR), João Fiadeiro (PT) e Gustavo Ciríaco (BR/PT). É graduada em Comunicação das Artes do Corpo na Pontifícia Universidade Católica PUC-SP em dança e performance.  É integrante do Núcleo de Garagem e  do Coletivo entre 1 e 2, com quem criou Travèssa (2011), Intaura_ação (2015) e In_screver (2016). Concebeu e criou, com Ana Correa, Procedimentos para Encontrar-se (2019) - apoio da Fundação GDA. É terapeuta do corpo, formada no Método de Coordenação Motora – Piret/Béziers e em Terapia Integração Craniossacral pelo IQD - Instituto de Quietude Dinâmica - SP, Brasil. Colabora com Fernanda Eugenio nas escolas de verão AND em Lisboa e São Paulo.  Atualmente facilita encontros de  Práticas em Si, uma série de exercícios de atenção e contemplação, ação e manuseio, comunicação e expressão que pretende ampliar a percepção, através de um descondicionamento do olhar, do fazer e do falar.  É cooperadora da PENHASCO_arte cooperativa em Lisboa, onde atua na programação de artes performativas e cursos  e  na gestão de projetos.

Share

bottom of page