terça, 22/09 | Transmissões via site

ANDscape | Curso Extensivo Online

Encontros práticos quinzenais às terças + acesso à Comunidade-Acervo Online da Escola do Reparar para partilha de táticas e criações emergentes
As vagas foram preenchidas em dois dias! Porém, em breve teremos outras atividades por aqui :)
ANDscape | Curso Extensivo Online

Hora & Local | Time & Place

22/09/2020, 19:00 WEST – 15/12/2020, 22:00 WET
Transmissões via site

Sobre | About

ANDscape - Curso Extensivo Online

22 de setembro a 15 de dezembro de 2020

Encontros práticos quinzenais às terças, 15 às 18h BR / 19 às 22h PT + acesso à Comunidade-Acervo Online da Escola do Reparar para partilha de táticas e criações emergentes

com Fernanda Eugenio, em posição-com: Dani d'Emilia, Guto Macedo, Julia Salem, Mariana Pimentel, Milene Duenha, Naiá Delion e Pat Bergantin e acompanhamento Iacã Macerata e Ruan Rocha (AND Cuidado), a partir de Lisboa, Rio de Janeiro, São Paulo e Curitiba

Parceria Institucional: Fundo de Fomento Cultural - República Portuguesa

Parceria: Penhas co

Neste curso abordaremos a potência de colisão emergente do encontro entre duas palavras das Dez Posições ante o Irreparável. Cada encontro prático será dedicado a uma dupla de ferramentas-conceito, a partir da qual jogaremos o Modo Operativo AND à distância, com a mediação de Fernanda Eugenio. Abriremos o campo com uma sintonização diferente a cada dia, proporcionada pelas práticas corporais convidadas.

Cronograma Previsto

22 setembro - Intro MO_AND (Fernanda Eugenio)

6 outubro - (an)coragem e co(m)passionamento

MO_AND + Corpo Antena (Pat Bergantin)

20 outubro - consistência e comparência

MO_AND + Práticas de Ajuntamento (Mariana Pimentel)

3 novembro - firmeza e franqueza

MO_AND + Corpo Multidimensional (Guto Macedo)

17 novembro - suficiência e justeza

MO_AND + Dança Microscópicopolítica (Milene Duenha)

1 dezembro - des-ilusão e des-cisão

MO_AND + Práticas de Sintonização e Inventário (Naiá Delion)

15 dezembro - Des-fecho

Práticas de Dis_Solução (Fernanda Eugenio e Dani d'Emilia) + Práticas em Si (Julia Salem)

E se eu não puder estar em todas as sessões?

As sessões ficarão gravadas na Comunidade-Acervo da Escola do Reparar, com acesso exclusivo às pessoas participantes do curso.

Número de vagas: 20

Valor do curso: R$ 700 (residentes no Brasil) / 150 EU (residentes Europa e norte global)

Bolsas integrais: a cada 5 inscrições pagas, uma bolsa integral é disponibilizada para pessoas vulnerabilizadas por intersecções de raça, gênero, orientação sexual, origem social/nacional e corporalidades dissidentes.

Política de desistências: Até 15 dias antes do início do curso, o valor é devolvido. A partir de 15 dias antes do início do curso, devolução de 50% do valor. Após esta data, não há devolução. 

Ferramentas em jogo

Modo Operativo AND (Fernanda Eugenio)

O Modo Operativo AND (MO_AND) consiste numa ética do Re-parar, da Reparagem e da Reparação, sistematizada num conjunto de ferramentas-conceito e de proposições-jogo que, ao mesmo tempo, propõe e propicia: a investigação direta e experiencial dos funcionamentos do Acontecimento e da Relação; a explicitação dos modos de emergência e de sustentação de acontecimentos comuns metaestáveis; a sensibilização às condições de possibilidade contingentes-impermanentes de cada encontro e às consequências políticas dos posicionamentos individuais e/ou colectivos; a afinação das capacidades de distribuição não-hierárquica da atenção e de (re)inventário trajetivo do possível,; o treino da disponibilidade à diferença e ao acidente/imprevisto, da comparência atempada, da tomada de decisão situada e da colaboração dissensual; a transferência de protagonismo do sujeito para o acontecimento numa prática co(m)passionada da presença; o exercício da equiparação consistente entre autocuidado e cuidado do entorno e entre o discurso proferido e a sua efetuação no fazer. O MO_AND apoia-se na activação do (contra)dispositivo do jogo não-competitivo e de regras imanentes como meio para a frequentação de uma sensibilidade fractal, atenta e minuciosa às modulações relacionais da reciprocidade (justo meio entre a complementaridade e a simetria) e da suficiência (justo meio entre a eficiência e a desistência).

Corpo Antena - Pat Bergantin

Corpo Antena é uma prática corporal que aborda o corpo enquanto uma antena, que não só recebe e transmite, como também traduz, modula e sintoniza. Atuando no campo das micropercepções, aguça os sentidos para o que move (em) nosso corpo aqui-agora, em vez de partir de uma forma pré-estabelecida. Ativa princípios que conectam o movimento às forças emergentes do presente, recuperando a autonomia e reprogramando hábitos já condicionados. Por isso é indicada a qualquer pessoa que se identifique com a proposta, independente de sua experiência com dança.

Práticas de Ajuntamento - Mariana Pimentel

Práticas de Ajuntamento experimenta as poéticas do aglutinar-se. Ativa práticas de reciprocidade através da presença meditativa, de pequenas danças e do fluxo livre de movimento entre umes e outres. Reúne vivências que convocam o corpo coletivo e  expressão de sua presença nos diversos espaços e camadas que compõem a corporalidade.

Corpo Multidimensional - Guto Macedo

Criar corpo no entrecruzamento do visível e do invisível, do dentro e do fora, do que toca e é tocado no soma (corpo de si), transpondo limites entre o perceptível e o imperceptível. Nessa abertura perceptiva, cada ume com suas próprias multi-imagens de corpo, tece devires, onde o tempo cruza o espaço, o passado ressoa no presente e novos esquemas somáticos emergem.

Dança Microscópicopolítica  - Milene Duenha

Partindo do princípio de que as transformações na dimensão coletiva se referem a uma lógica recíproca de transformações que se dão nos corpos que a compõe, essa prática de ativação microscópica do corpo e do meio operada por uma ética das relações se volta à ampliação perceptiva no reconhecimento de que não sabemos tudo o que pode um corpo, daí um convite a experimentar suas potências. Com foco na expansão do aspecto sensível e na mobilização de questões que inter-ferem as/nas diferentes existências, busca-se a atenção à potência de vida que pode emergir na abertura à transmutação a partir do mínimo, do quase invisível, até às relações mais ampliadas.

Práticas de Sintonização e Inventário - Naiá Delion

As Práticas de Sintonização tomam como ponto de partida a relação entre corpo e gravidade e propõem dedicar tempo para o mapeamento dos apoios do corpo no chão, dos apoios no ar ou em outro corpo, em pausa ou em movimento. Trata-se de acessar tecidos ósseos, musculares, elásticos e pele para investigar a fractalidade e a multidirecionalidade do movimento, dispondo o corpo para relacionar-se com o imponderável. As Práticas do Inventário tomam como ponto de partida algo que foi vivido. O mapeamento dessa experiência vai se afinando de fora para dentro até poder novamente incluir a relação do corpo com o campo gravitacional. Através do convite a este inventário singularizado, a proposta é que se possa abrir espaço para uma apropriação das vivências que permita disponibilizá-las como ferramentas para a investigação de cada ume.

Práticas de Dis-Solução - Fernanda Eugenio e Dani d’Emilia

As Práticas de Dis-Solução são um desdobramento da pesquisa a que temos nos dedicado desde 2018, à volta da elasticidade das capacidades de vinculação íntima com o desconhecido/desconhecível e de possíveis percursos para a ativação de modulações não-hierárquicas e disseminadas do amor. Intencionamos, para esta nova experimentação, percorrer algumas voltagens da operação da dis-solução: por um lado, apontar para possíveis "foras" do regime hegemônico da solução, que acelera na direção do resolver/finalizar/fechar, orientado por um lógica de extinção que atua lado a lado à lógica sistêmica predatória e extrativista. Por outro lado, sensibilizar para as valências da (dis)solvência, num exercício sensível de desatação de nós (e em nós) - de repousar no tecido da inseparabilidade, descansar no sentir distribuído, percorrer todo o espectro das sensações até a sua borda dissipar no fora: abordando-o ao a-bordar-se. Procurando transmutar as condicionantes em condições, perguntamo-nos como fazer da "falta de contacto físico" entre humanos uma brecha para povoar e amar outras formas e matérias de vida, mais-que-humanas? Como alargar as nossas experimentações na direção de um repertório de intimidade relacional mais vasto? Como sentir que o nosso corpo-coração se torna coletivo, ao ponto de que ele seja inseparável do coração da Terra?

Práticas em Si - Julia Salem

Práticas em Si são uma série de exercícios de atenção e contemplação, ação e manuseio, comunicação e expressão que pretende ampliar a percepção, através de um descondicionamento do olhar, do fazer e do falar. Os procedimentos são relacionais (corpos, objetos e espaços) e buscam borrar as fronteiras que separam essas camadas e acalmar a necessidade de identificação do sujeito. São procedimentos para encontrar-se consigo  mesma, com outres e com o mundo, que orientam éticas pessoais  e relacionais e podem alargar o nosso modo estar na relação entre corpos. Esse trabalho nasce das inúmeras práticas  de corpo adquiridas ao longo da caminhada, dos mergulhos profundos em processos criativos e do encontro sutil com os atendimentos da Terapia de Integração Craniossacral.

Notas Biográficas

Fernanda Eugenio é antropóloga, artista, investigadora e educadora. Trabalha com a construção de modos de fazer transversais para a com-posição relacional, o cuidado-curadoria e a criação por re-materialização - nomeadamente o Modo Operativo AND, metodologia de cunho ético-estético e político, que criou e vem desdobrando desde os anos 2000, dedicada à prática co(m)passionada da presença, à sintonização com a experiência sensível da inseparabilidade e à pesquisa dos processos de emergência. Fundou e dirige, desde 2011, a plataforma AND_Lab | Arte-Pensamento e Políticas da Convivência (com sede em Lisboa e núcleos no Brasil e em Espanha), uma estrutura artesanal de investigação artística, que atua no cruzamento entre as artes, o pensamento crítico, as práticas político-afetivas encarnadas e as pedagogias radicais, reunindo criadores comprometides com o exercício da arte enquanto reciprocidade que sustenta a vida (em) comum. É pós-doutorada (2012) pelo Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa; doutorada (2006) e mestre (2002) em Antropologia Social pelo Museu Nacional - UFRJ, formada em Dança pela Escola Angel Vianna. No Brasil, foi Pesquisadora Associada do CESAP/IUPERJ (2003-17) e Professora Adjunta de Ciências Sociais na PUC-Rio (2005-12). Nos últimos vinte anos tem atuado como professora convidada em diversos programas de formação em ciências sociais e humanas, artes e performance na Europa, EUA e América do Sul. Suas publicações, criações artísticas e colaborações circula(ra)m por Brasil, Chile, Argentina, Peru, Portugal, Espanha, França, Itália, Grécia, Alemanha, Áustria, República Checa, Reino Unido, EUA, Canadá, Nova Zelândia,  Vietnã e Filipinas.

Pat Bergantin é artista da dança. Professora, coreógrafa e bailarina, atualmente se dedica a partilhar sua prática Corpo Antena, que reconhece o corpo como transmissor, receptor e tradutor de forças e a coordenar, junto com Naiá Delion, o Núcleo AND Lab SP. Também está em processo de criação de seu solo Mina, e de Cyprine, terceiro trabalho com Josefa Pereira, com quem já criou as performances em dança Mandíbula e Égua. É diretora da residência artística Contágio e também performer de Monstra de Elisabete Finger e Manuela Eichner. Apresentou em lugares como: Moderna Museet na Suécia (2020), Bienal de Dança SP (2019), Festival Internacional de Dança do Uruguay (FIDCU) (2018) e Museu de Arte Moderna (MAM-SP) (2018). Trabalhou com Marta Soares, Jorge Garcia e também em produções internacionais dos coreógrafos Jerôme Bel, Tino Sehgal, Angie Hiesl & Roland Kaiser e Yvonne Rainer. Formada em Balé Clássico pela Escuela Nacional de Cuba, é graduada no curso de Letras da USP. https://patriciabergantin.wordpress.com

Mariana Barbosa Pimentel (Fortaleza, 1983) é artista da dança, gestora e produtora cultural, atuante na cidade do Rio de Janeiro. Estudou no Royal Conservatory of Antwerp, Bélgica e é licenciada pela Escola Superior de Dança de Lisboa.  É mestre em Cultura Contemporânea e Novas Tecnologias pela Universidade Nova de Lisboa com pesquisa na presença do corpo na dança contemporânea e suas relações de alteridade. Seus trabalhos autorais tratam do tensionamento político entre corpo, espaço, identidades e noções de coletividade. Integra o coletivo Corposições e desde 2018 dá corpo ao Núcleo AND Lab Rio junto com Guto Macedo, Iacã Macerata e Letícia Barbosa. Seu trabalho foi apresentado em festivais, encontros e escolas de artes performativas em  diferentes países, principalmente na América do Sul e na Europa.

Guto Macedo. Pioneiro no Ensino do Contato Improvisação no Brasil, atua também como Professor de Dança Contemporânea,  Dança Moderna, Movimento Autêntico, Coreógrafo, Ator-bailarino, Músico, Cantor, Educador Somático e de Percepção Musical, Pesquisador do Movimento e Facilitador da Lei do Tempo. Pesquisador teórico-prático independente e parceiro dos coletivos CIMA, Corposições e Núcleo And Lab Rio que atuam no Brasil e exterior. Formado em direção teatral (UFRJ/2006), Pós-Graduado em Neurociências (UFRJ/2016) e Facilitador da Lei do Tempo (Instituto Lei do Tempo/2017). Foi dançarino profissional integrante de diferentes grupos no Rio de Janeiro e em Nova Iorque. Desde 2003 pratica o Movimento Autêntico (MA) com a Introdutora do MA no Brasil, Soraya Jorge. Com ela criou o CIMA (Centro Internacional do Movimento Autêntico) e desenvolveu a pesquisa Afecção Entre o Movimento Autêntico e o Contato Improvisação. Seu trabalho circulou por diferentes países na América do Sul (Brasil, Argentina, Uruguai), na Europa (Portugal, Áustria, Alemanha, Russia, Grécia etc) e EUA (NY), tendo participado de diversos festivais e encontros internacionais.

Milene Duenha. Artista com atuação nas intersecções entre dança, performance e teatro. Interessa-se por questões ligadas ao corpo ingovernável e seus modos de estar/fazer como potência de afeto. Pesquisa a noção de composição nas artes presenciais e as relações entre ética, estética e política. É professora colaboradora no curso de Dança da UNESPAR, Pr. Pesquisadora associada ao AND_Lab | Arte-Pensamento e Políticas da Convivência, coordena junto a Francisco Gaspar Neto o Núcleo AND Lab Curitiba. Desenvolve uma pesquisa artística no Coletivo Mapas e Hipertextos desde 2012 e integra o Projeto Corpo, Tempo e Movimento desde2014. Possui graduação em Artes Cênicas pela Universidade Estadual de Londrina (Brasil) e pós-graduação em Artes Visuais / Arte-educação e na mesma instituição. Doutora e mestre em Teatro pela Universidade do Estado de Santa Catarina (Brasil).

Naiá Delion formou-se em Comunicação das Artes do Corpo na PUC-SP em 2002, com habilitação em Dança. Tem como formação paralela à graduação universitária, o Núcleo de Improvisação coordenado pela bailarina Zélia Monteiro. Ainda na universidade, realizou pesquisa científica sobre a relação Brasil/Japão nas artes, orientado pela Profa. Dra Christine Greiner. Como bailarina, formou-se no Curso Técnico da Escola e Faculdade Angel Vianna e participou de diversas residências artísticas no Brasil e no mundo. Entre elas o coLABoratório, onde conheceu Fernanda Eugenio e iniciou sua parceria com o Projeto AND Lab. Na mesma época, criou o solo "Use o assento para flutuar"” em parceria com Volmir Cordeiro, contemplado pelo Prêmio Funarte Klauss Vianna. Como educadora do movimento, formou-se na Escola Ivaldo Bertazzo (2003), e como instrutora de pilates (2013) e de Gyrotonic (2019). Atualmente, faz parte do Processo Formativo do Movimento Autêntico, dirige o Estúdio de Pilates e Gyrotonic AMANA e o coordena, junto com Pat Bergantin, o Núcleo AND Lab São Paulo.

Dani d’Emilia é artista e educadore transfeminista. Desde 2001 trabalha internacionalmente nas intersecções entre performance, teatro imersivo, artes visuais, pedagogia radical e justiça social. Interessa-se especialmente por práticas político-afetivas encarnadas que entrelaçam as esferas artísticas, activistas e espirituais e tem desenvolvido uma vasta investigação à volta da ‘ternura radical’. Dani é co-fundadore da companhia de teatro imersivo Living Structures (GB) e do espaço artístico Roundabout.lx (PT). Foi membro do coletivo La Pocha Nostra (MX/EUA) entre 2011-2016 e do Proyecto Inmiscuir (MX) entre 2015-2017. Desde 2017 integra o coletivo Gestos Rumo a Futuros Decoloniais  (CA/BR) com quem se dedica a pesquisar pedagogias radicais e possibilidades de educação decolonial por meio de práticas artísticas e críticas.  Atualmente vive em Lisboa, onde desde 2018 trabalha com Fernanda Eugenio e o AND Lab (Centro de Investigação em Arte-Pensamento & Políticas da Convivência) em diferentes projetos de arte e pedagogia. Também colabora com os programas Gorca Earthcare (SL) e Free Home University (IT), além de outros contextos de pesquisa encarnada. A formação de Dani inclui: MA – Literatura Comparada e Estudios Culturais, Universidad Autonoma de Barcelona (ES, 2016); MA – Programa de Estudos Independentes dirigido por Paul B. Preciado, Museu de Arte Contemporanea de Barcelona (ES, 2015); BA – Devised Theatre and Visual Arts Practices, Dartington College of Arts (GB, 2007); Diploma em Mime & Physical Theatre, Desmond Jones School (GB, 2003); e diversos outros treinamentos em práticas artísticas, críticas e corporais. Seu trabalho artístico e pedagógico tem percorrido uma ampla variedade de espaços institucionais e autônomos na Europa e nas Américas.

Julia Salem nasceu em São Paulo (1982) e reside há quatro anos Lisboa onde cursou o mestrado em Comunicação e Artes na UNL e colaborou com Rose Akras (BR/HOL), Daniela Dini (BR), João Fiadeiro (PT) e Gustavo Ciríaco (BR/PT). É graduada em Comunicação das Artes do Corpo na Pontifícia Universidade Católica PUC-SP em dança e performance.  É integrante do Núcleo de Garagem e  do Coletivo entre 1 e 2, com quem criou Travèssa (2011), Intaura_ação (2015) e In_screver (2016). Concebeu e criou, com Ana Correa, Procedimentos para Encontrar-se (2019) - apoio da Fundação GDA. É terapeuta do corpo, formada no Método de Coordenação Motora – Piret/Béziers e em Terapia Integração Craniossacral pelo IQD - Instituto de Quietude Dinâmica - SP, Brasil. Colabora com Fernanda Eugenio nas escolas de verão AND em Lisboa e São Paulo.  Atualmente facilita encontros de  Práticas em Si, uma série de exercícios de atenção e contemplação, ação e manuseio, comunicação e expressão que pretende ampliar a percepção, através de um descondicionamento do olhar, do fazer e do falar.  É cooperadora da PENHASCO_arte cooperativa em Lisboa, onde atua na programação de artes performativas e cursos  e  na gestão de projetos.

As vagas foram preenchidas em dois dias! Porém, em breve teremos outras atividades por aqui :)

Compartilhar | Share

Respeitamos a sua privacidade. Somente utilizamos quaisquer dados pessoais para efeito de comunicação de notícias sobre as nossas atividades ou processamento de inscrições e jamais os partilhamos com terceiros. É possível solicitar a obtenção ou a exclusão completa destes dados a qualquer instante para info@and-lab.org.

We respect your privacy. We only use any data collected for the purpose of communicating news about our activities or processing registrations, and we never share them with third parties. You can request to obtain or completely delete this data at any time via email info@and-lab.org.